As 5 dúvidas mais comuns sobre investir no Tesouro Direto

3

Tem muita gente atualmente no país que não investe no Tesouro Direito por falta de conhecimento. Isso porque elas sabem que essa opção é tão segura quanto à poupança e rende mais… Só que elas nem sempre sabem como funciona o Tesouro.

A ideia deste conteúdo é justamente essa: mostrar algumas das principais dúvidas que os brasileiros possuem quando o assunto é o Tesouro Direto.

E você, que pode até conhecer o Tesouro, mas nunca parou para levar ele em conta, saiba que no longo prazo, ao escolher um investimento como a poupança e não o Tesouro, você pode deixar de ganhar dinheiro.

O próprio Tesouro Direto tem um simulador online que mostra a diferença de resultados entre ambas aplicações financeiras.

Apenas para você começar a considerar o Tesouro como investimento seguro e rentável, veja o exemplo que pode ser visto no site do Governo.

O Tesouro IPCA+ 2050 com juros semestrais terá um patrimônio de mais de R$ 300 mil enquanto que a poupança terá apenas R$ 182 mil com investimentos mensais de R$ 200.

É uma diferença muito grande para o mesmo valor de investimento mensal e o mesmo prazo de tempo de investimento, não acha? Para conferir essa simulação online, clique aqui.

E continue lendo para tirar as suas dúvidas sobre esses títulos públicos do Governo Federal.

5 dúvidas mais comuns

Abaixo temos apenas 5 das dúvidas mais comuns do Tesouro. Mas, são dúvidas que precisam ser respondidas e conhecidas. Por exemplo, você acha que só rico investe no Tesouro, não acha? Mas, com R$ 30 você já pode ser um investidor, por exemplo. Saiba mais.

1 – Qual é o valor do Tesouro

O grande diferencial do Tesouro Direito frente às outras opções de investimentos financeiros é que ele permite a aplicação em partes do título. Então, você não tem que comprar o título inteiro, o que é ótimo.

É ótimo porque faz com que valor da compra possa ser minimizado. Supondo que um título custe R$ 2 mil. Saiba que, geralmente, dá para comprar uma fatia do todo e pagar apenas R$ 200, por exemplo.

O que se sabe é que existem “fatias” que custam a partir de R$ 30 e isso torna o Tesouro totalmente acessível a todas as pessoas do Brasil. Por isso é que o Tesouro tem sido tão bem visto pelos novos investidores.

Agora, o que é importante é considerar não apenas o valor, mas também outros fatores, como o tempo de investimento e o título que você vai escolher para comprar.

2 – Quais são os títulos do Tesouro

O Tesouro Direto tem muitos títulos públicos disponíveis. O importante é considerar que todos eles são pensados e são melhores considerando os seus prazos de vencimento.

Aliás, o Tesouro sempre é aconselhável para o longo ou médio prazo. Portanto, se você estiver montando uma reserva de emergência, saiba que existem outras opções, mais recomendáveis.

Ainda assim, para o curto ou médio prazo, o Tesouro Selic tem se saído muito bem e, inclusive, sempre acaba rendendo mais do que a poupança, que no Brasil tem um rendimento muito abaixo do que é esperado.

Entre os títulos do Tesouro temos os pré-fixados e os pós-fixados, assim como aqueles que pagam juros semestrais, outros para 2025 e aqueles para 2045 e por aí vai.

3 – Quantas vezes investir no Tesouro

O que se sabe é que quanto mais se investe, melhor. No entanto, isso não pode comprometer o seu orçamento financeiro porque não vai adiantar investir muito e ficar devendo no banco, por exemplo.

O que se recomenda é fazer investimentos mensais, chamados de aportes mensais. Aí, dá para selecionar uma certa porcentagem do salário e investir no Tesouro com base na sua renda mensal.

Portanto, para essa dúvida saiba que não existe periodicidade exata para todo mundo. Mas, o recomendável é investir 1 vez ao mês para que se tenha um melhor rendimento e aumento de patrimônio no futuro.

4 – Qual o horário para investir no Tesouro

Todo investidor do Tesouro Direto pode fazer isso por uma corretora de valores, por um banco ou mesmo sozinho, nas plataformas digitais do Tesouro Direto.

No entanto, independente do meio escolhido, a regra quanto ao horário é a mesma: é preciso seguir o horário de funcionamento do Tesouro. E esse horário é o famoso horário comercial.

Ele pode variar algumas vezes, mas quase sempre funciona no horário comercial, das 8 horas às 17 horas.

5 – Tem que pagar o Imposto de Renda

Muita gente tem medo do leão da Receita Federal, que sempre acaba chegando ao imposto de renda. Mas, é preciso entender que isso nem sempre vai ser ruim como todo mundo acha.

Mesmo com o pagamento do IR, o Tesouro Direto acaba sendo uma melhor opção do que a poupança, ao menos do ponto de vista financeiro.

Por isso, saiba que pagar o imposto não vai ser o pior dos males.

Agora, o que é preciso considerar é que o IR segue uma tabela regressiva, o que quer dizer que quanto mais tempo você investir (sem resgatar os recursos), menos impostos você vai pagar também, o que é bom para aumentar os seus rendimentos.

Para se ter uma base das porcentagens, saiba que quem investe em menos de 180 dias paga um imposto de 22,5% sobre o rendimento. Já quem investe em mais de 2 anos, paga bem menos, sendo 15% sobre o rendimento do título.