3 fases para começar a viver de renda nos próximos anos

2

Viver de renda é o sonho de muita gente. Ainda mais em um país onde se trava uma verdadeira batalha sobre a reforma da previdência. Independentemente do que der no final, o fato é que o brasileiro sairá perdendo.

Por isso, é muito inteligente da sua parte pensar em ter a própria poupança, isto é, o seu próprio dinheiro para usar como quiser. Aí, a sua missão será juntar dinheiro, fazer ele render e usar de forma inteligente.

E é exatamente sobre isso que se trata este conteúdo. Continue lendo para saber exatamente o que fazer em cada fase da vida para começar a viver de renda no futuro.

1 – Acumulação

A fase da acumulação é a primeira de todas. O que você precisa entender aqui é que vai ter que ter uma geração de renda, que pode ser de salário, para começar a construir a sua riqueza.

PROPAGANDA

Não importa muito da onde vem o seu dinheiro, se você trabalha para uma empresa, se presta serviços de autônomo, se faz bicos aos finais de semana, se vende o que tem em casa, se faz crochê. Nada disso importa.

O fato é que você tem que gerar renda para começar a acumular o dinheiro e formar o seu patrimônio. A formação de patrimônio é necessária para viver de renda.

Aí, neste tópico, a gente tem várias dicas para você começar a acumular o dinheiro. Veja.

Os serviços extras

Uma ideia inteligente, para quem está apertado com as contas, é fazer serviços extras. Aí, o que vale dizer é que é preciso usar os recursos ganhos para acumular. Não adianta pegar o dinheiro para pagar as contas, entendeu?

As contas

Outra boa dica é sobre as contas. Apesar de ser uma fase de acumulação, não se deve deixar de pagar as contas. A saída é evitar as contas, né. Então, evite compras grandes, compras altas, compras parceladas também.

As dívidas

Evitar as dívidas à longo prazo também é muito importante. Porque você vai ter que sempre ter como juntar dinheiro, todos os meses. E se você tem muitos parcelamentos ou empréstimos isso vai ficar mais difícil. Portanto, evite as dívidas.

2 – Rendimentos

A segunda fase para quem está pensando em viver de renda daqui há alguns anos é sobre os rendimentos. Aqui, a ideia é bem simples: gerar rendimentos, isto é, fazer o seu dinheiro aumentar, o mesmo que potencializar o seu patrimônio.

Entenda que acima, no tópico 1, a gente falou sobre ter uma renda para juntar dinheiro. Isso é bem óbvio e claro. Agora, um dos grandes diferenciais é fazer com que esse dinheiro acumulado se transforme também em juros.

Como fazer isso? Pensando nos rendimentos que eles podem gerar.

Mas, aqui a ideia vai muito além de pensar sobre os investimentos que podem ser feitos. A ideia central é conseguir traçar uma espécie de cronograma para o seu patrimônio. E isso é bem mais fácil do que parece, tá.

Pergunte-se esses tipos de coisas:

  • Quanto você precisa ter acumulado
  • Em quanto tempo precisa ter todo esse dinheiro
  • Quanto você pode juntar de dinheiro em cada mês
  • Em quais meses, consegue fazer aportes maiores

Tudo isso vai te dar um norte de onde você está e onde quer chegar. Tem muito a ver com a questão dos objetivos financeiros que você tem. Afinal, para que você quer viver de renda?

Um bom exemplo é levar em conta o acumulo de dinheiro para se aposentar com mais tranquilidade sem ficar, necessariamente, dependente do INSS, da previdência social e do governo federal.

Aí, nesse caso, dá para pensar em rendimentos como:

Juntar R$ 200 mil em 30 anos em uma aplicação que renda 100% do CDI.

A partir daqui você tem um objetivo muito bem definido. E agora faz todo sentido você acumular dinheiro, como foi dito no tópico 1. Depois, por último, vai restar saber como usar o seu lucro para viver de renda.

3 – Lucro

O último passo nada mais é do que um conselho para você que vai viver de renda. Aqui, a ideia é bem simples: usar os rendimentos para viver e deixar o restante lá, para que continue rendendo bons frutos, literalmente.

Então, a gente falou acima sobre ter acumulado R$ 200 mil, certo? Bom, em um rendimento que seja de 100% do CDI, o que dá hoje 6,4% por ano.

Se você conseguir isso, saiba que vai ter um saldo mensal de mais de R$ 1 mil na sua conta, apenas com os rendimentos, isto é, com os juros. Aí, você pode sacar esses R$ 1 mil e deixar o restante lá, para continuar rendendo.

Aqui, o mais interessante mesmo é você saber usar os seus recursos. Note que se você sacar tudo de uma só vez, não vai ter mais juros rendendo mensalmente. Portanto, o ideal é você sempre sacar apenas o que vai te dar liberdade mensal.

Afinal, estamos falando de viver de renda, né?

Agora, se você quer ter mais dinheiro mensalmente, aí vai precisar voltar ao tópico 2 e fazer as contas de novo, tá?

Para você ter uma ideia geral, se tiver R$ 500 mil acumulados, nesse tipo de investimento de 100% do CDI, você terá juros de mais de R$ 2,5 mil no mês. Então, por isso, o passo 2, dos rendimentos, é tão importante: para você saber onde quer chegar!

PROPAGANDA